RDC: Está a acontecer uma “tentativa de genocídio”

Posted by

O Presidente Félix Tshisekedi considera que a violência na província de Ituri, situada no Nordeste da República Democrática do Congo, é uma “tentativa de genocídio”. Desde 10 de Junho já morreram 160 pessoas em consequência da acção das milícias, afirmam as autoridades, e o Programa Alimentar Mundial (PAM) declarou a situação como a segunda pior crise de fome actualmente no mundo, a seguir ao Iémen.

“Claramente, isto parece uma tentativa de genocídio. Para inflamar Ituri”, afirmou o chefe de Estado, numa conferência de imprensa em Bunia, cidade da província. Tshisekedi considera que o objectivo é “desestabilizar o poder em Kinshasa”.

O Presidente anunciou há dois dias uma operação militar “em larga escala” para combater as milícias e impor a ordem numa região há muito envolvida em confrontos. No entanto, a situação tem piorado nas últimas semanas devido a aumento dos combates entre os Hema, criadores de gado, e os Lendu, agricultores.

Além das mortes — o PAM diz que só entre 10 e 13 de Junho morreram 117 pessoas —, a luta tem levado as pessoas a fugir das suas casas e aumentado o preço dos alimentos. Esses dois factores conjugados com a falta de rendimento, as colheitas destruídas por causa dos insectos e o aumento das doenças epidémicas, transformam Ituri num caso de emergência.

O PAM anunciou reforço da sua operação de distribuição de alimentos em Ituri porque, diz Hervé Verhoosel, porta-voz do PAM, “as pessoas estão a morrer de fome ou a malnutrição é tal que estão a morrer”. “Esta crueldade sem sentido surge mesmo em tempo de colheitas, obrigando as pessoas a abandonar as suas casas nas aldeias rurais com nada ou quase nada”, acrescentou.

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados afirma que mais de 300 mil pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas — 7500 cruzaram a fronteira com o Uganda —, especialmente na região de Djugu. É neste território e em Mahagi, bem como na província de Kivu do Sul, que a operação militar “em larga escala”, anunciada por Tshisekedi no domingo, se vai realizar. O Presidente quer pôr um “ponto final definitivo” nas dezenas de milícias que se movem à margem da lei numa região rica em minerais.

Fonte: Público

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.