Num comunicado, o banco central angolano adianta que, no prazo máximo de 30 dias a contar da publicação, as instituições públicas e privadas com direitos de crédito sobre as instituições financeiras devem participar junto do Departamento de Regulação e Organização do Sistema Financeiro do BNA.

“O BNA, na qualidade de organismo de regulação e supervisão e garante da estabilidade do sistema financeiro […] comunica a todas as entidades públicas e privadas que, por inatividade por período superior a seis meses, revogou as licenças a sete instituições”, lê-se no documento.

Na lista, o BNA dá conta da revogação das casas de câmbio Dias & Poeira, Expresso, Global, Kétsia, Nevisa e Ponto Câmbios, bem como a Rede Crédito – Cooperativa de Crédito.

Desde janeiro de 2018 que as casas de câmbio deixaram de obter divisas através dos leilões, então semanais, realizados pelo BNA, o que levou à paralisação das atividades, tendo, em abril desse ano, a Associação das Casas de Câmbio e Angola (ACCA) enviado uma carta ao governador do banco central, José de Lima Massano, a apelar à resolução da situação, que levou ao despedimento de centenas de trabalhadores.

“Não se entende como é que as ‘kinguilas’ [mulheres que compram e vendem moeda estrangeira no mercado paralelo] têm acesso às divisas, que são comercializadas de forma especulativa no mercado informal. Nós, que apoiamos o setor financeiro, estamos sem as notas”, lê-se no documento, que nunca obteve resposta.

Em 09 de janeiro de 2018 as autoridades de Luanda puseram termo à taxa de câmbio fixa e começaram a vender aos bancos comerciais as divisas em leilão, primeiro semanais, depois trissemanais e atualmente diárias.

Desde então, a moeda angolana já se depreciou cerca de 52% face à europeia e à norte-americana, transacionando-se hoje nos 389,491 kwanzas/euro, e nos 347,667 kwanzas/dólar, novo mínimo histórico.

Em janeiro de 2018, um euro equivalia a 185,4 kwanzas, enquanto um dólar se transacionava a 165,92 kwanzas.

Em janeiro, mas deste ano, um euro equivalia a 352,828 kwanzas, enquanto o dólar era transacionado a 310,158 kwanzas.

Hoje, no mercado paralelo, o euro continua a transacionar-se entre os 500 e 520 kwanzas, o mesmo acontecendo ao dólar, trocado entre os 430 e 440.

JSD // VM

Lusa/Fim