A depreciação do kwanza em mais de 50% face ao euro e ao dólar entre 2017 e 2019, levou os angolanos a alteraram, substancialmente, os hábitos de compras, adquirindo apenas “o essencial”, mas esperam que a situação se reverta. A primeira semana de Julho fica marcada pela estabilidade uma vez que não foram apresentadas quaisquer alterações nos termos de troca.

Para além da perda de poder de compra para os consumidores locais, a constante oscilação do Kwanza tem sido causa de más notícias para as exportadoras com exposição a Angola ou empresas, como as construtoras, com dívidas em kwanzas. De não esquecer aqueles que estudam, reformados, expatriados e os que estão em tratamento de saúde.

Kwanza e Dólar
O Kwanza continua a depreciar ao longo de 2019. No mercado cambial, o Kwanza registou uma depreciação de 9.3% face ao dólar nos primeiros seis meses do ano. Apesar de ser uma perda de valor ainda considerável, é menos pronunciada do que a presenciada no mesmo período em 2018 (-33.43%).

A moeda angolana, Kwanza, perdeu valor durante todo o I semestre de 2019 para o dólar. Se em Janeiro último, um dólar equivalia a 31,016 kwanzas, hoje o mesmo montante da divisa europeia compra 34,198 kwanzas (uma variação de 10%).

Se a moeda angolana seguir o mesmo ritmo de depreciação da primeira metade do ano, terminará 2019 em torno dos USD/AOA 377. Por outro lado, no mercado informal, a depreciação foi ligeiramente mais pronunciada face ao dólar nos primeiros seis meses do ano (-13.7%). A depreciação mais acentuada no mercado informal explica o alargamento que voltou a acontecer na diferença entre ambos os mercados, estando agora em 39.6%, significativamente acima dos 21% registados em outubro de 2018.

Kwanza e Euro
A moeda angolana, Kwanza, perdeu valor durante todo o I semestre de 2019 para o euro. Se em Janeiro último, um euro equivalia a 352,828 kwanzas, hoje o mesmo montante da divisa europeia compra 389,517 kwanzas (uma variação de 10%).

Caso se mantenha a tendência hoje verificada, no final do II semestre de 2019 serão necessários 430 kwanzas para que se obtenham 1 euro.

Reservas Internacionais Líquidas
Angola registou uma queda no valor das reservas internacionais líquidas que terminaram o mês de maio cifradas em 10,3 mil milhões de dólares.

A quebra é avaliada em 508 milhões de dólares face ao mês de abril, sendo assim o segundo valor mais baixo dos últimos anos.

Em relação a dezembro de 2018, as reservas internacionais líquidas registaram uma redução de 354 milhões de dólares, uma quebra média mensal de 71 milhões de dólares.

Fonte: Lusa, DN, BPI Estudos