O governador do Moxico, Gonçalves Muandumba, encorajou nesta sexta-feira, no Luena, os empresários desta província a empenharem-se na produção local para substituir os produtos importados.

O governante, que falava no encontro de auscultação aos empresários filiados na câmara de comércio e indústria do Moxico, promovido pelo gabinete provincial do desenvolvimento integrado, insistiu que a província tem que deixar de importar o arroz, farinha de milho, francos, ovos, entre outros produtos agrícolas.

Para tal, manifestou o desejo de ver funcional a Fazenda Agro-Industrial de Camaiangala, o Projecto Agrícola de Sacassange, bem como as grandes e pequenas cooperativas e associações agrícolas existentes na região.

Espera que esses empreendimentos sejam bem estruturados e sustentados para corresponderem ao Programa de Apoio a Produção, Diversificação das Exportações e substituição das Importações (PRODESI).

Explicou que o estado pretende, com isso, deixar de ser actor e passar a regulador, coordenador, cujo objectivo principal está ascende na diversificação da economia e aumento da produção.

Apelou, na ocasião, aos empresários a primar pela legalidade e responsabilidade, cumprindo as suas obrigações fiscais, sem qualquer coação e deixar de esperar pela ordem de saque do governo, como disse, tal prática já pertence ao passado.

“O empresariado deve contribuir para que tenhamos uma cidade limpa, agradável, saudável e estabelecimentos bonitos, que atraiam o publico, de forma a participar na vida social da comunidade e criar um bom ambiente de negócio”, sublinhou.

Ao considerar de fundamental o papel da fiscalização e inspecção, exortou esses órgãos estatais a melhorar os serviços para a qualidade e validade dos produtos de modo que os preços praticados na região não sejam tão exorbitantes como são neste momento.

No encontro que visou encontrar soluções para catapultar a actividade dos empresários, Gonçalves Muandumba aconselhou as instituições do governo a desburocratizar os serviços prestados, criando condições que facilite a vida dos empreendedores.

Apelou igualmente aos bancos comerciais que operam na província, no sentido de acreditar e apostar nos empresários locais, disponibilizando – lhes credito para galvanizar a sua actividade e contribuírem no combate a fome e pobreza.

Por seu turno, o empresário, Baptista Tchambungue, pediu que haja oportunidades de apoios com lisura, transparência e credibilidade para todos os empresários da região para permitir o desenvolvimento da sua actividade.

Solicitou igualmente, ao governo para orientar os bancos comerciais a conceder créditos aos membros da classe, bem como a construção e reparação das vias de comunicação para que seja possível o escoamento dos produtos do campo para cidade.

Fonte: Angop.