De acordo com uma publicação recente do jornal Expansão, citando o site Angonoticias, “carros para Unidade de Segurança Presidencial e para Unidade da Guarda Presidencial custam, em média, kz. 23,9 milhões. As aquisições serão feitas por contrato simplificado. Os serviços de apoio e operações da Unidade de Segurança Presidencial e da Unidade da Guarda Presidencial vão receber 82 viaturas novas que vão custar aos cofres do Estado quase kz. 1.957 milhões, equivalente a USD 5,6 milhões“.

Contas feitas, o custo médio de cada viatura é de Kz. 23,9 milhões, equivalente a cerca de USD 69 mil. De acordo com o Despacho Presidencial n.º 109/19, de 2 de Julho, o Chefe de Estado autoriza a realização da despesa mediante contratação simplificada pelo critério material. João Lourenço justifica esta aquisição com a necessidade de assegurar a melhoria das condições de trabalho, eficiência e eficácia das respectivas unidades.

A compra ficará a cargo do Ministro de Estado da Casa de Segurança do Presidente da República e será o Ministério das Finanças a custear a operação.

Contudo, em 2015 a Casa Militar registava gastos mais elevados nesta matéria, dado que, apenas naquele ano importou, num curto prazo de três meses, 1034 veículos automóveis. Neste ponto particular, há registo de uma redução na ordem dos – 1161% (menos 984 automóveis).
Reparemos ainda que entre 2013 e 2015, a Casa Militar importou 1084 viaturas.

Ainda sobre a despesa em automóveis, registada anteriormente, de acordo com a informação do Boletim Estatístico do Conselho Nacional de Carregadores (CNC), no ano de 2015, a actividade da Casa Militar da Presidência da República foi tão elevada que acabou por constar na estatística como o décimo maior importador de automóveis de Angola.