Equipada com meios modernos para o armazenamento, comercialização de sementes e fertilizantes, a estação comporta dois laboratórios, móvel e fixo, para análise dos solos, duas residências para os técnicos, salas de conferência, escritórios, biblioteca e um armazém frigorífico para a conservação de produtos agrícolas, com capacidade para 24 mil toneladas.

O projecto, uma iniciativa do Ministério da Agricultura, dispõe igualmente de uma área agrícola de 30 hectares, destinada às aulas práticas para os agricultores.

De acordo o seu responsável, Carlos Júlio, a infra-estrutura erguida numa área de três mil metros quadrados, através de uma linha de crédito da Espanha, está subaproveitada e os equipamentos vão-se deteriorando.

Disse ser o único técnico e para o funcionamento normal da estação são necessários seis.

Foi projectada para prestar assistência técnica a 690 mil e 930 camponeses da província, subdivididos em 43 associações e 106 cooperativas agropecuárias.

A propósito, o director do Gabinete Provincial da Agricultura, Pescas e Desenvolvimento, Francisco Lubamba, disse que a situação já está a ser resolvida num esforço conjunto com o ministério de tutela, prevendo-se a formação de no mínimo cinco técnicos.

O município do Capenda Camulemba com mais de 60 mil habitantes, tem diversidade de culturas, com maior realce para a mandioca, milho, batata-doce, tomate e hortícolas, que têm sido produzidos sem conhecimento da qualidade dos solos.

Fonte: Angop.