Segundo um comunicado a que a agência Lusa teve acesso, a caravana, de 14 viaturas, partiu hoje de Luanda, por 10 dias, para chegar às restantes 17 províncias do país, com o objetivo de reforçar a capacidade técnica e material de resposta à pandemia provocada pelo novo coronavírus em Angola.

A iniciativa visa ainda garantir o reforço das capacidades das equipas rápidas de resposta à covid-19 a nível do país, através da formação de técnicos e médicos locais, em quatro áreas-chave, nomeadamente a gestão de casos, comunicação de risco, vigilância epidemiológica, logística e biossegurança.

O representante em exercício da OMS em Angola, Javier Aramburu, citado no comunicado, refere que o projeto vai contribuir para fortalecer as capacidades locais, nomeadamente na gestão de cuidados intensivos, prevenção e controle de infeções e, sobretudo, garantir a avaliação do estado dos ventiladores pulmonares, “ferramenta essencial para o tratamento de casos da covid-19 em situação crítica”.

“A OMS considera crucial que em todo o território nacional sejam criadas equipas rápidas de resposta com capacidade técnica para prevenir, testar, tratar e rastrear os contactos de possíveis casos suspeitos de infeção pela covid-19. Portanto, esta iniciativa é uma abordagem-chave que vai permitir que Angola esteja preparada para os prováveis estágios mais complexos de resposta à covid-19”, disse Javier Aramburu.

Com esta caravana, as autoridades sanitárias esperam também que seja reforçada a capacidade de segurança dos estabelecimentos e do pessoal de saúde, por forma a assegurar o mínimo de infeções pelo novo coronavírus e assim garantir a devida atenção e atendimento adequado à população.

No documento, a OMS apela à colaboração de toda a população para acatar as orientações do Ministério da Saúde em relação ao distanciamento social, bem como o uso alargado de máscaras de proteção, incluindo as de fabrico caseiro.

Angola registou até à data 19 casos positivos de covid-19, com cinco pacientes recuperados, todos referentes a cidadãos provenientes de países com circulação do vírus, que provocaram já dois óbitos.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 137 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 450 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

O número de mortes por covid-19 em África subiu hoje para 910 num universo de 17.212 infeções registadas em 52 países.

O número de doentes recuperados é agora de 3.546.

Fonte: Lusa