1.ª Dama junta-se a “task force” de João Lourenço para solucionar o problema da dívida pública

Posted by

Depois de ter sido excluído da moratória da dívida do G20, Angola fica presa entre os efeitos da queda dos preços do petróleo e uma dívida em dólares com financiadores privados, superior ao seu PIB. Uma equipa de alto nível foi criada  para encontrar soluções. 

Angola, que agora recebeu o rating de crédito CCC de maior risco da Standard & Poor’s, é um dos países mais expostos à crise financeira provocada pela pandemia de Covid-19. A sua dívida externa, cuja manutenção está prevista para custar US $ 8 bilhões este ano, é em grande parte com instituições financeiras privadas e principalmente em dólares, o que a torna uma carga ainda maior para a sua economia.

A situação do país, que já era perigosa, tornou-se insustentável agora que o preço de um barril de petróleo caiu para US $ 20 … Angola vai precisar de US $ 1,5 bilhão este ano apenas para reembolsos nos vários eurobonds emitidos. Um trio de altos  responsáveis próximos ao Presidente João Lourenço estão a trabalhar integralmente no tema das dívidas.

Segundo fontes do África Intelligence, tratam-se de Manuel José Nunes Junior, envolvido em todos os assuntos financeiros e tem acesso directo ao presidente, e o segundo é a jovem ministra das Finanças Vera Daves de Sousa, bancária de profissão e principal contacto junto das instituições financeiras internacionais.

O terceiro membro do “Task Force” tem um nível de influência política inversamente proporcional à sua função oficial. Ela é a esposa de Lourenço, Ana Dias Lourenço, que está fortemente envolvida nos assuntos financeiros do país depois de passar quatro anos como Directora Executiva do Banco Mundial, onde, além de Angola, ela representou um grupo de países africanos que incluía Nigéria e África do Sul.

Fonte: Luandapost

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.