A arrecadação monetária no primeiro ano do regresso da actividade de jogos de “fortuna ou azar” pode representar cerca de 10 mil milhões para os cofres públicos, segundo estimativa da Direcção Nacional de Jogos do Ministério das Finanças.

A garantia é do director-geral do Instituto de Supervisão de Jogos, Tito Cambanje, que acredita no regresso da actividade em grande, depois de um recente impulso dado pelo Executivo, com a publicação do Regulamento de Exploração de Jogos Remotos em Linha.

Em Angola existe uma lei de actividades de jogo (Lei nº 5/16, de 17 de Maio), mas a actividade tem sido exercida à margem dos preceitos legais, fazendo com que não sejam salvaguardados os interesses dos participantes nem pagos os emolumentos ao Estado.

Fonte: O País