O jovem de 18 anos junta-se assim à sua mãe, Asma al-Assad, que tinha integrado a lista negra dos EUA, em junho passado. 

Os Estados Unidos colocaram na lista negra o filho mais velho do Presidente sírio, Bashar al-Assad, Hafez, de 18 anos, como parte de uma nova série de sanções contra Damasco, anunciou o Departamento de Estado. 

Ao todo, o Governo dos EUA tem na mira 14 novas organizações e pessoas, após uma primeira série de sanções, anunciadas em junho, quando entrou em vigor uma lei para privar de recursos o regime sírio e os seus defensores (Lei César).

“Agora, temos na lista negra mais de 50 apoiantes de Bashar al-Assad e das suas empresas, bem como de algumas organizações militares que estão a martirizar o povo sírio”, disse esta quarta-feira uma fonte governamental dos EUA.

“Assistimos a um aumento da sua importância dentro da família”, disse a mesma fonte, para justificar as sanções a Hafez al-Assad, explicando que os “filhos em idade adulta conduzem o negócio em nome dos pais ou familiares sancionados”.

O jovem Hafez al-Assad – que tem o nome do seu avô, que governou a Síria até à sua morte, em 2000 – não poderá viajar para os Estados Unidos, onde os seus bens serão congelados, de acordo com a medida esta quarta-feira anunciada.

Hafez junta-se assim à sua mãe, Asma al-Assad, que tinha integrado a lista negra dos EUA, em junho passado.

O Presidente sírio foi alvo de sanções por parte de Washington, desde 2011, quando iniciou repressões violentas para reprimir movimentos de revolta popular, o que resultou num conflito que já fez mais de 380.000 mortes e causou milhões de refugiados.

Fonte: Lusa