O FMI adiou a decisão prevista para a passada sexta-feira sobre a terceira avaliação do Programa de Financiamento.

Ampliado, para pelo menos até à segunda quinzena de agosto, altura em que o Conselho Executivo do Fundo se voltará a reunir, de acordo com a Bloomberg. Em causa, deverão estar as questões relativas aos acordos de moratórias de dívida com credores. Trata-se de um adiamento que pode ser desfavorável para o país, já que o desbloqueamento desta avaliação poderia trazer cerca de 0.8 mil milhões de dólares de financiamento (incluindo 0.35 mil milhões de dólares decorrentes de um alargamento do empréstimo), providenciando também divisas ao país. Nesse sentido, o atraso deste apoio orçamental agrava a situação de liquidez do Tesouro; de maneira similar, um atraso na entrada destas divisas impede o alívio de alguma pressão existente para a depreciação do Kwanza, numa altura em que as divisas a entrar no país por via das receitas petrolíferas estarão no nível mais baixo de 2020.

Fonte: BPI