George Soros celebra esta quarta-feira 90 anos e concedeu uma entrevista ao jornal italiano La Repubblica em que critica duramente Donald Trump. O lendário investidor explica também porque é que se mantém afastado da atual “bolha” dos mercados.

“Mesmo nos EUA, um trapaceiro como Trump consegue ser eleito presidente e minar a democracia por dentro”, afirma Soros. “Mas, nos EUA, temos uma grande tradição de pesos e contrapesos (checks and balances) e regras estabelecidas. E, acima de tudo, temos a Constituição”, ressalva.

“Por isso estou confiante que Trump será um fenómeno passageiro, de preferência que termine em novembro”, acrescenta.

Mas, adverte o bilionário, Trump “continua a ser muito perigoso”, porque “está a lutar pela sua vida e fará tudo para se manter no poder”.

Já sobre os mercados, Soros defende que estamos numa “bolha” alimentada pela liquidez injetada pela Reserva Federal (Fed), uma situação que agora decidiu evitar.

O mercado, argumenta, está a ser sustentado pela expectativa de mais estímulos fiscais e pela esperança de que Trump anuncie uma vacina contra a covid-19 antes de novembro.

Soros considera que, após ter divulgado no seu livro os pressupostos em que baseou o seu sucesso deixou de ter vantagem sobre os restantes investidores.

Fonte: Jornal de Negócios