Segundo o Jornal de Negócios, apesar de continuar em larga vantagem, Marcelo Rebelo de Sousa, atual Presidente da República, caiu para os 60,3% depois de ter alcançado 70,8% em julho.

Já a ex-eurodeputada socialista Ana Gomes, que entrou para a corrida a Belém recentemente, subiu cinco pontos percentuais face à sondagem da semana passada, ficando com 14% de intenções de voto e deixando o líder do Chega, André Ventura, em terceiro lugar, com 9,4% (menos 0,7 pontos).

Quando Ana Gomes se lançou a Belém, Ventura disse que a ex-eurodeputada socialista “não chegará à segunda volta” das eleições e ameaçou demitir-se se a socialista ficasse à sua frente.

De seguida surge a candidata do Bloco de Esquerda Marisa Matias, que ganhou dois pontos percentuais face ao mês passado, ficando com 6,2% de intenções de voto.

O candidato do PCP conquistou 2,9% das intenções de voto (mais 0,4%), embora, à data do inquérito da Intercampus, o eurodeputado João Ferreira ainda não tivesse sido anunciado como candidato comunista.

Em último lugar, surge o candidato do Iniciativa Liberal, Tiago Mayen Gonçalves, com 0,5% das intenções de voto.

Marisa Matias divulga apoiantes

A candidata bloquista Marisa Matias apresentou uma lista com os nomes dos seus apoiantes, de acordo com a TSF.

Na lista surge Ana Benavente, deputada do PS que foi secretária de Estado da Educação no Governo de António Guterres e Manuel Strecht Monteiro, outro deputado socialista que foi  mandatário nacional do “Movimento pelo Sim”, no referendo de 2007 sobre a despenalização do aborto.

Outros apoiantes de Marisa Matias são o psiquiatra Júlio Machado Vaz, o sociólogo Boaventura Sousa Santos, o antropólogo Bruno Sena Martins, o arqueólogo e Prémio Pessoa, Cláudio Torres e a ativista feminista Manuela Tavares.

A lista integra ainda o historiador e fundador do Bloco de Esquerda Fernando Rosas, a médica Isabel do Carmo, o capitão de Abril Pezarat Correia, e os músicos Fausto Bordalo Dias, Sérgio Godinho, Adolfo Luxúria Canibal e Miguel Guedes.

Há ainda espaço para jornalistas como Pilar del Rio e Alexandra Lucas Coelho, escritores como José Luís Peixoto e Inês Pedrosa e atores como António Capelo e Sara Barros Leitão.

Marcelo ainda não anunciou formalmente a candidatura ao segundo mandato, mas recentemente António Costa deu o pontapé de saída, numa visita em maio à Autoeuropa, durante a qual desafiou Marcelo a regressar daí a um ano, já num novo mandato. Marcelo disse que só irá comunicar a sua decisão após convocar eleições, “provavelmente em novembro“.

O líder e deputado único do partido Chega, André Ventura, o primeiro a apresentarpublicamente a sua intenção de concorrer ao mais alto cargo da nação, a 29 de fevereiro, em Portalegre.

Seguiram-se, no final de julho, as manifestações de vontade de concorrerem a Belém do advogado e fundador da Iniciativa Liberal, Tiago Mayan Gonçalves, e do presidente do Partido Democrático Republicano (PDR), Bruno Fialho.

No passado dia 5, a eurodeputada e dirigente do Bloco de Esquerda Marisa Matiasanunciou que voltaria a concorrer às presidenciais do próximo ano, com apresentação marcada para quarta-feira no Largo do Carmo, em Lisboa.

No dia seguinte, quinta-feira, foi a vez de a ex-eurodeputada socialista Ana Gomesapresentar a sua candidatura a Presidente da República. No mesmo dia, no Porto, foi apresentada a pré-candidatura a Belém do ex-militante do CDS Orlando Cruz, que já por três vezes no passado fez este anúncio, mas que nunca chegou a formalizar o processo junto do Tribunal Constitucional.

Além destes nomes, Vitorino Silva, também conhecido como “Tino de Rans”, confirmou que ia ser candidato. O calceteiro natural de Penafiel diz que quer lutar contra “populismos”.

O eurodeputado João Ferreira é o candidato do PCP nas eleições presidenciais de 2021.

As próximas eleições presidenciais realizam-se em janeiro do próximo ano. Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito no início de 2016 com 52% dos votos. Sampaio da Nóvoa teve 23% dos votos e Marisa Matias (BE) 10,13%.

Fonte: ZAP//